metade-metade @ 17:09

Sab, 03/11/12

 

Estive um bom tempo afastada desta andanças e apenas o lado menos bom das coisas me deu vontade de cá voltar.

A verdade é que precisava de um local onde pudesse despejar tudo o que tenho preso dentro de mim, e nada melhor do que aqui para o fazer. É certo que existem meia dúzia de pessoas que conhecem este cantinho e sabem que ele é meu, mas neste momento isso é o que menos importa.

(E desculpem o conteúdo deprimente deste post.)

 

Tive uma infância feliz, cresci cheia de amigos e com uma família sempre disposta a ajudar. Tenho uns pais fabulosos que nunca me deixaram sozinha e sempre lutaram para que nada me faltasse e crescesse com força, garra, alegria e saúde. Depositaram (e depositam) uma enorme esperança em mim e no meu futuro e é aqui que tudo me faz desabar.

O medo e a angústia de que nunca poderei fazer deles pais orgulhosos assalta-me constantemente desde ontem. E se eu não for capas de concretizar tudo o que sonharam para mim? Se ao contrário do que pensam eu não for boa o suficiente para brilhar?

Desde sempre nunca tive confiança em mim, ao contrário do que poderia (e poderei) transparecer. Todos me conhecem como a pessoa mais alegre do mundo, que tem soluções para todas as contrariedades, que nunca desistirá de nada, que tem força e garra para vencer - mas não sou, não sou e não sou.

Para mim existe sempre alguém melhor do que eu, alguém que consegue superar aquilo que eu sei fazer. Ao longo do tempo fui mudando mas existem momentos em que nenhuma mudança ou tempo é o suficiente para apagar traços de personalidade ou angústias antigas.

O meu medo é que chegue o dia em que queira desistir de vez, em que não tenha mais forças e perca toda a vontade de contrariar as coisas más...porque existrá sempre alguém melhor do que eu, por mais que lute, e estude, e descubra, e tente ser o mais perfeccionista e competente possível.

Já mantive na ideia que "Se algpo está a correr bem, não é normal. Prepara-te, pois algo vai mudar tudo isso." e hoje é o dia em que penso nisso vezes e vezes sem conta.

 

Gostava de ter a personalidade forte de muita gente, que cai e levanta-se no minuto seguinte, que não desiste à primeira bofetada e tenta contornar o erro para sair vencedor no próximo round. Gostava de ser assim, mas não consigo.

Sou frágil como o vidro.

Sinto-me culpada por tudo.

Sinto-me um trapo.

Perco as forças e a vontade...porque existirá sempre alguém melhor que eu.




Monóloga @ 18:08

Sab, 03/11/12

 

não tens que ser melhor que ninguém, tens que ser apenas tu própria... quem gosta, gosta, quem não gosta só tem que pôr à beira do prato! e de certeza que os teus pais, se sempre te apoiaram, gostam de ti como és...
um beijinho e força...


metade-metade @ 23:56

Dom, 04/11/12

 

Obrigada pelas palavras e pelo beijinho, estou confiante que esta fase é passageira e acabará por passar *

Pesquisar
 
mais sobre mim
Na mesa de cabeceira:
Arquivo
2014

2013

2012

Quantos são?